Substâncias psicoativas: como as empresas podem realizar a prevenção?

15 de janeiro de 2020

É cada vez maior o número de trabalhadores que utilizam substâncias psicoativas – lícitas ou ilícitas – dentro ou fora do ambiente de trabalho. De acordo com o último levantamento realizado pela Previdência Social, em 2014, o total de auxílios-doença relacionados à dependência química simultânea de múltiplas drogas chegou a 26 mil, um aumento de 256% em relação a 2006. O número de benefícios concedidos relativos ao consumo de cocaína e derivados também triplicou nesse período – foram contabilizados 8.638 casos e um gasto de R$ 9,1 milhões. A cifra total, incluindo álcool e fumo, chegou a R$ 162,5 milhões.

Mas engana-se quem pensa que o consumo de drogas é um problema contemporâneo. O estudo O uso e abuso de substâncias psicoativas por adolescentes: uma proposta de intervenção, produzido pela médica especialista em Atenção Básica em Saúde da Família Luana Oliveira Freitas, mostra que há relatos de uso em praticamente todas as culturas e povos, seja por motivos místicos ou recreacionais. Isso só passou a ser um problema social no século XX, quando o consumo de álcool, cocaína e derivados do ópio começou a ser combatido nos Estados Unidos.

“Nos dias atuais, o uso abusivo de substâncias psicoativas é visto como um problema de saúde pública mundial, dadas a magnitude e a diversidade dos aspectos envolvidos. Trata-se ainda de um problema social com impactos diretos na saúde do indivíduo, da família, da comunidade e da sociedade em geral”, diz a pesquisadora. Esses efeitos se tornaram tão nocivos que a 10ª revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-10) incluiu uma lista de substâncias psicoativas – álcool, opioides (morfina, heroína e codeína), canabinoides (maconha), sedativos ou hipnóticos (barbitúricos e benzodiazepínicos), cocaína, alucinógenos, tabaco, solventes voláteis e outros estimulantes (anfetaminas e substâncias relacionadas à cafeína) – como causadoras de problemas de saúde.

É um desafio que ultrapassa as fronteiras geográficas e culturais e preocupa países desenvolvidos e em desenvolvimento por todo o mundo. Percorre diferentes classes sociais e faixas etárias e resulta em uma série de prejuízos pessoais, sociais e econômicos para todos os atores envolvidos – inclusive as empresas. Por isso, elas têm um papel fundamental para evitar que seus colaboradores sofram com a dependência de drogas.

O que são substâncias psicoativas?

No meio científico, as drogas são avaliadas sob uma perspectiva biológica. A Organização Mundial de Saúde as define como “toda substância natural ou sintética que, introduzida no organismo vivo, pode modificar uma ou mais de suas funções”. Por isso, elas não podem ser caracterizadas como boas ou más. Um medicamento, por exemplo, promove efeitos benéficos, embora modifique as funções do organismo.

Do ponto de vista legal, porém, o termo é ligado apenas às substâncias psicoativas – ou seja, as que provocam alterações no sistema nervoso central, sejam mudanças no humor, no comportamento ou na cognição. De acordo com a Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas, o efeito dessas substâncias não é o mesmo para todas as pessoas, variando de acordo com as características do usuário, de qual droga foi consumida, da quantidade e das circunstâncias em que ela foi utilizada.

Classificação das substâncias psicoativas

Do ponto de vista legal, esse tipo de sustância pode ser dividido em dois grandes grupos: lícitas e ilícitas. As lícitas são aquelas permitidas por lei, podendo ou não ser submetidas a normas reguladoras. De modo geral, podem ser compradas de maneira livre em qualquer estabelecimento comercial do país, como é o caso do álcool, do tabaco, dos analgésicos e dos anorexígenos. Já as ilícitas são aquelas cuja produção e a comercialização são proibidas pela Justiça, como a maconha, a heroína, o crack e a cocaína.

Existe uma outra classificação que separa esse tipo de droga de acordo com a atuação no organismo:

  • Estimulantes: aumentam a atividade mental ou trazem uma sensação de bem-estar, ao estimularem a euforia e a melhora do humor, além de um aumento da energia, do estado de alerta, das atividades motoras e da atividade cardiovascular. Em alguns casos, são utilizadas para manter o corpo acordado por mais tempo ou para diminuir o apetite. Enquadram-se nessa categoria as anfetaminas, a nicotina, a cafeína, a cocaína e o crack.
  • Depressoras: atenuam ou inibem os mecanismos cerebrais de vigília, deixando o cérebro mais lento e possibilitando diversos graus de relaxamento, sedação, sonolência, anestesia e até mesmo coma. Também há uma tendência a reduzir a atividade motora, a reatividade à dor e a ansiedade. São exemplos o álcool, os ansiolíticos (tranquilizantes), os inalantes (cola) e os narcóticos (morfina e heroína).
  • Perturbadoras (ou alucinógenas): alteram o funcionamento cerebral, provocando vários efeitos psíquicos anormais – como delírios e alucinações. Isso significa que a pessoa que consome esse tipo de substância pode ter falsas sensações ou ter um falso juízo sobre a realidade. São os casos da maconha, do LSD, do ecstasy, de esteroides anabolizantes e de outras substâncias derivadas de origem vegetal ou fúngica (sálvia, ayahuasca, ibogaína, mescalina etc.).

Quando se torna dependência?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo de substâncias psicoativas pode ser classificado como uso, abuso ou dependência química.

Quando a pessoa consome socialmente ou apenas para experimentar, tem-se o uso. Ele traz pouca ou nenhuma consequência grave para o indivíduo, mas pode causar prejuízos imediatos, como acidentes de trabalho ou de trânsito e potencialização de comportamentos violentos. Além disso, pode ser o primeiro passo para uma dependência.

O abuso ocorre quando há um maior consumo da substância e com consequências mais sérias. Não diz respeito ao tempo de consumo, mas sim à quantidade – ou seja, o uso esporádico pode ser caracterizado como abuso. É o caso, por exemplo, de alguém que foi a uma festa, exagerou no consumo de álcool e foi parar em um hospital.

Já a dependência é caracterizada pelo alto consumo, com uso frequente e em maior período de tempo. Por trazer graves consequências para o indivíduo, necessita de um diagnóstico médico, baseado na CID-10 e no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM). Os principais critérios são os seguintes:

  • Tolerância: o paciente precisa de doses cada vez maiores para atingir os efeitos buscados;
  • Senso de compulsão: há um forte desejo para consumo da droga e o paciente até quer reduzir ou controlar o consumo, mas não têm sucesso;
  • Abstinência: se o uso for interrompido, surgem sintomas como tremores, ansiedade, irritabilidade e insônia. Isso faz com que o paciente queira voltar a consumir a substância para evitar os efeitos;
  • Abandono de atividades: a pessoa deixa de lado outras ações que dão prazer e dedica a maior parte do tempo ao consumo da substância;
  • Persistência no uso: mesmo diante dos sintomas e danos ao organismo, o paciente ainda prefere manter o consumo.

Substâncias mais utilizadas

Não há um estudo que mostre as principais substâncias utilizadas pelos trabalhadores de modo geral, mas cada categoria costuma ter suas próprias necessidades. Em A relação entre o uso de drogas e o trabalho: uma revisão de literatura PSI, pesquisadores da Universidade Federal de Rondônia fizeram um levantamento de estudos realizados sobre esse assunto e trouxeram alguns dados interessantes para entender esse cenário.

Acadêmicos, por exemplo, tendem a consumir mais álcool (88% dos entrevistados), cigarro (13%) e ansiolíticos (4%). Outra pesquisa mostrou que 12,4% dos caminhoneiros admitiram fazer uso de “rebite” como estimulante para se manterem acordados no volante, sendo que 45,1% bebiam pelo menos uma vez por semana. No caso de ambientes portuários, 94,7% dos entrevistados disseram já ter trabalhado com um colega alcoolizado e 77,27% afirmam ter trabalhado sob o efeito de maconha.

Um estudo feito com médicos em tratamento por dependência química mostra que o álcool foi a droga de maior prevalência (72,7%), seguido pela cocaína (31,8%), benzodiazepínicos (28,2%), opiáceos (26,7%) e maconha (25,2%). No caso de uma pesquisa com policiais civis e militares do Rio de Janeiro, o tabaco foi apontado como o mais consumido (23,3% e 19,1%, respectivamente), seguido pelo álcool (12% e 11%) e tranquilizantes (13,3% e 10,1%).

Os números mostram que as substâncias variam bastante de acordo com cada categoria profissional e isso está relacionado a pressões causadas pelas atividades realizadas e acobranças por parte das empresas. Cargas horárias estressantes, metas impossíveis de serem batidas, necessidade de se manter em vigília por muito tempo e a preocupação com os resultados das ações são apenas alguns dos fatores que levam os trabalhadores a recorrerem a substâncias psicoativas. E cabe às companhias criar modos de combater o seu uso.

Qual o papel das empresas

É preciso ter em mente que, mesmo que o uso ocorra fora do local de trabalho, os efeitos das drogas no organismo podem prejudicar o desempenho das atividades ocupacionais. Portanto, é responsabilidade da empresa cuidar da saúde mental dos trabalhadores e atuar na prevenção do uso de tais substâncias. Por isso, elas devem ficar atentas aos sinais para agir de modo preventivo.

Esses indicativos são, em sua maioria, subjetivos e devem ser confirmados pela companhia, o que aumenta a responsabilidade em evitar falsas acusações. Mudanças de comportamentos repentinas, alterações no relacionamento com os colegas e sinais corporais são alguns dos indicadores que devem ser observados.

Quando a empresa descobre um caso como esse, é preciso entender que ali há um problema de saúde, que pode ser acompanhado e tratado. Não é uma questão a ser tratada por meio de demissão, mas de auxílio, até que o trabalhador possa se recuperar. Para além desse acompanhamento individual, também é preciso implementar um Programa de Prevenção ao Uso de Substâncias Psicoativas, preferivelmente integrado ao Programa de Saúde Mental no Trabalho. Assim é possível verificar não só a causa da dependência, mas também expandir o a atuação para outras doenças e transtornos psiquiátricos, como depressão, estresse, síndrome do pânico, ansiedade, Síndrome de Burnout e transtorno bipolar.

Todas as ações preventivas devem ser pensadas a partir das particularidades da empresa. Isso envolve observar o espaço físico disponível, a maneira como o trabalho é organizado, os relacionamentos interpessoais, as queixas dos trabalhadores, os fatores econômicos e sociais envolvidos, a missão e os valores da empresa e o clima organizacional.

Assim é possível estruturar campanhas de conscientização mais assertivas, que sejam capazes de humanizar o ambiente de trabalho e mostrar que a empresa se preocupa com o trabalhador.

A solução para sua empresa

Se você precisa implantar um programa de prevenção na sua empresa e não sabe como começar, procure a Sercon. Temos uma equipe de médicos do trabalho e psicólogos preparados para lidar com situações como essa, que podem propor ações adaptadas à realidade da sua empresa e, de fato, ajudar na prevenção de possíveis casos e na recuperação dos pacientes. Entre em contato para que possamos conversar melhor sobre isso!

Imagem utilizada: Freepik | jcomp

Psicologia Ocupacional

Guia Completo Burnout: como lidar e prevenir 

26 de fevereiro de 2024

Entenda como evitar e lidar com casos de Burnout na sua equipe  A Síndrome de Burnout, ou Síndrome do Esgotamento Profissional, é um distúrbio emocional causado pela pressão ...

O papel estratégico do técnico em segurança do trabalho nas empresas

9 de novembro de 2023

Garantir a segurança no local de trabalho é uma obrigação legal, mas é também um compromisso com a construção de uma realidade mais justa e respeitosa aos trabalhadores nas...

Mulher, branca, cabelo preto e liso, usando uma blusa verde olha na direção da câmera com os braços cruzados e um leve sorriso. No fundo da imagem, desfocado, existe um grupo de três pessoas em uma mesa conversando.

O papel da liderança na saúde mental da empresa

19 de outubro de 2023

Uma boa liderança sabe que uma equipe motivada tem mais disposição para desempenhar suas tarefas, “veste a camisa” da empresa e mantém a qualidade e o alto nível d...

Homem negro usando uma camisa branca está sentado em um sofá azul. Ele encara a camera com uma mão na direção do queixo. Desfocado na frente da imagem aparece o perfil de um home ruivo usando terno.

Diferença entre a Psicologia do Trabalho e a Psicologia Organizacional

22 de setembro de 2023

Quando o assunto é saúde mental, todo cuidado é pouco — principalmente no ambiente de trabalho. Afinal, uma mente saudável nos permite desempenhar diversas tarefas ao longo d...

Setembro Amarelo: cuidados com a saúde mental na empresa

21 de setembro de 2023

O dia 10 de setembro é marcado como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A data foi criada pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e reforçada pela ...

Resumo: avaliação psicológica para vigilantes

1 de setembro de 2023

A avaliação psicológica para vigilantes é um exame fundamental para garantir a segurança e a eficiência desses profissionais.  A seguir, compartilhamos com você as prin...

A Importância da Avaliação Psicossocial no ambiente de trabalho

26 de junho de 2023

Com a chegada da pandemia da covid-19, a pauta sobre saúde mental se tornou mundialmente visível. Por conta das marcas deixadas por ela, as demandas dentro das empresas se tornar...

O que pode causar adoecimento mental no trabalho?

7 de junho de 2023

Temos a impressão de que a saúde mental foi, por muito tempo, um tema silencioso —  quase um tabu. Mas faz muito tempo que o assunto está presente em diversos espaços de...

Há ambiente de trabalho sem saúde mental?

24 de maio de 2023

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em uma sociedade em que a maior parte das pessoas passa mais tempo no trabalho do que em casa, a saúde mental de cada colaborador ...

Assédio no ambiente de trabalho: entenda como preveni-lo e as consequências

16 de maio de 2023

O assédio, independentemente do tipo, está presente no mercado de trabalho desde sempre. Antigamente, era muito mais difícil para o trabalhador provar que algo de errado estava ...

A busca pelo equilíbrio perdido: qualidade de vida no trabalho

25 de abril de 2023

A qualidade de vida no trabalho é um indicador do nível de satisfação na empresa. Ela pode ser implementada por meio de um planejamento de ações para a segurança e a saúde ...

Doenças ocupacionais: causas, prejuízos e meios de prevenção

19 de abril de 2023

As doenças ocupacionais afetam milhares de trabalhadores em todo o mundo.  Suas causas são diversas e estão relacionadas ao ambiente de trabalho e às atividades profission...

Carnaval: feriado ou ponto facultativo?

15 de fevereiro de 2023

Afinal, o Carnaval é feriado ou ponto facultativo? Sem rodeios, a resposta é fácil: a festa de Carnaval é ponto facultativo, o que desobriga as empresas a concederem folga para...

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência

21 de setembro de 2022

O Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, celebrado em 21 de setembro, foi instituído no calendário oficial do Ministério da Saúde em 2005. Nesses 17 anos de luta, mui...

Setembro Amarelo no ambiente organizacional

9 de setembro de 2022

O mês virou e as organizações já começaram a falar sobre o Setembro Amarelo e colocaram o selinho da campanha nas redes sociais. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS...

NR7 resumida: entenda as mudanças e como fica o PCMSO

Psicologia Ocupacional x Organizacional x do Trabalho

29 de agosto de 2022

Nos últimos anos, houve um aumento significativo de empresas procurando por Psicologia Ocupacional, Organizacional e do Trabalho como forma de investimento em saúde e bem-estar m...

Psicologia Ocupacional: invista em seus colaboradores

25 de julho de 2022

Entenda os impactos da pandemia de covid19 na saúde mental e saiba como oferecer o melhor para os seus funcionários em psicologia ocupacional...

Burnout já pode ser considerado doença ocupacional

24 de janeiro de 2022

Síndrome de Burnout passou a constar no CID-11 e empresas podem ser responsabilizadas pelos casos registrados...

Como as empresas podem lidar com a depressão

30 de junho de 2021

A depressão é uma doença psiquiátrica crônica que, infelizmente, está cada vez mais comum. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que o Brasil é o segundo país das ...

Importância do psicólogo para a equipe de SST

27 de abril de 2021

Profissionais atuam na prevenção de transtornos mentais e contribuem para o bem-estar de toda a empresa...

Os riscos do home office

12 de janeiro de 2021

Modalidade de trabalho a distância pode ocasionar problemas físicos e mentais que devem ser minimizados pelas empresas...

Importância das lideranças para as ações de SST

3 de dezembro de 2020

A disseminação de informações e a motivação da equipe são chave para um bom desempenho da empresa na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais...

Mulher sendo atendida por um psicólogo

Afastamentos por transtornos mentais preocupa empresas

29 de junho de 2020

Cuidados com a segurança dos trabalhadores devem ir além da preocupação com a integridade física e prevenir também o desenvolvimento de transtornos mentais...

Como manter o sentimento de pertencimento no home office?

26 de maio de 2020

Empresas precisam criar estratégias para manter funcionários motivados e produtivos mesmo à distância, o que envolve um trabalho direto com a sensação de pertencimento....

Homem conversa com piscólogo

Avaliação psicossocial: aplicação prática nas empresas

23 de abril de 2020

A avaliação psicossocial é uma das ferramentas mais importantes para avaliar se o funcionário está apto a enfrentar certos riscos. Veja como ela funciona na prática....

Duas mulheres conversar com chamada de vídeo em um computador

Atendimento psicológico a distância

30 de março de 2020

Durante o isolamento provocado pelo novo coronavírus, Sercon oferece acompanhamento psicológico online para interessados...

Você já sorriu hoje?

3 de outubro de 2019

Tudo vai acontecendo de modo lento e sutil | Rotina imbecil... ...

Efeitos da multa do FGTS nas relações de trabalho

7 de agosto de 2019

Possibilidade de redução do benefício tem trazido de volta antigas discussões e afetado a relação patrão-empregado....

Não é só o ano que muda

18 de janeiro de 2019

Virada causa um efeito psicológico positivo nas pessoas e renova energias que permitem atingir novas metas...

Mal-estar e trabalho

18 de dezembro de 2018

Dissociação entre conquistas e bem-estar nos faz refletir sobre a subjetividade da nossa época....

Outubro Rosa: valorize a vida

7 de novembro de 2018

Atenção é o melhor caminho para evitar o câncer de mama...

Natureza e saúde mental

24 de setembro de 2018

Contato com ambientes naturais contribui para a diminuição do estresse e da impulsividade e produz efeitos em curto e longo prazo...

depressão-no-contexto-ocupacional

Depressão no contexto ocupacional

27 de junho de 2018

Quando tudo vai mal em sua vida profissional, como evitar a desesperança e conseguir lidar com depressão?...

Atuação do psicólogo na concessão do porte de arma

18 de maio de 2018

Profissionais são responsáveis pela avaliação psicológica e análise de aptidão dos candidatos...

A importância da avaliação psicossocial dos trabalhadores

23 de abril de 2018

Avaliar o comportamento em situações de risco ajuda a entender as condições psicológicas do empregado...

A busca pela felicidade

26 de março de 2018

Pare de querer ser feliz o tempo todo para ser feliz em todos os momentos possíveis...

Ano novo, vida nova?!

15 de janeiro de 2018

Réveillon é ponto de virada propício para recomeços...

Humor como mecanismo de defesa

17 de novembro de 2017

O que leva o ser humano a reagir com humor até mesmo em situações de sofrimento? ...

Por mais isenção na avaliação psicológica de vigilantes

17 de agosto de 2017

Após reunião com entidades representativas do setor de segurança privada, Conselho Federal de Psicologia concede 60 dias para adequações às normas estabelecidas pela própria...

Pessoas com TPAS não distinguem o certo do errado

17 de agosto de 2017

Indiferença pelos sentimentos dos outros e dissimulação são predominantes na atitude de quem tem o transtorno...

Transtorno histriônico: comportamento dramático

19 de junho de 2017

Tratamento pode associar a psicoterapia com o uso de medicamentos...

Escarificações na adolescência

15 de maio de 2017

Em tempos de Baleia Azul, a presença e o diálogo permanecem a melhor saída...

Uso das redes sociais: uma reflexão

4 de abril de 2017

A comunicação virtual mudou as relações, a subjetividade e o mundo externo...

Apto ou inapto?

9 de março de 2017

A importância da avaliação psicológica para concessão de registro e/ou porte de arma de fogo...

Dieta & Personalidade

27 de janeiro de 2017

Saiba como características pessoais podem beneficiar ou sabotar seu esforço para perder peso e fique atento...

Planejamento financeiro: em tempos de crise, reinvente-se

6 de janeiro de 2017

Confira dicas de como se planejar e se reerguer quando sua renda familiar cai...

Gestão do tempo e qualidade de vida

1 de dezembro de 2016

Saiba como administrar melhor seu cotidiano e viver com mais tranquilidade...

A importância de se falar sobre o suicídio

28 de outubro de 2016

Educação é a primeira medida preventiva; saiba como ajudar...

Usos da avaliação psicológica

25 de outubro de 2016

Conheça mais sobre o processo e suas indicações...

Benefícios psicológicos da atividade física

30 de setembro de 2016

Saiba como exercícios podem auxiliar em uma vida mais tranquila e equilibrada...

Diagnóstico de câncer: quando o corpo adoece e a mente padece

2 de setembro de 2016

Conheça as fases pelas quais um paciente passa após o diagnóstico e entenda como tratamentos psicológicos podem auxiliá-lo...

Transtorno de estresse pós-traumático

1 de agosto de 2016

Situações de violência podem gerar traumas e incapacitar, mentalmente, as vítimas. Conheça as reações mais comuns e as possibilidades de tratamento...

Trabalho e saúde mental

28 de junho de 2016

Estar atento à saúde psicológica do trabalhador é uma maneira de agir com estratégia, reduzindo gastos com absenteísmo e licenças médicas e aumentando a produtividade...

Avaliação psicológica admissional para vigilante

25 de maio de 2016

Saiba por que esse procedimento é importante para garantir a seleção e a saúde desses profissionais e o desempenho seguro das atividades de rotina...

Selecione a sua demanda

Encontre a solução certa em SST para a necessidade do seu negócio.

eSocial

Garanta a transmissão dos eventos de Saúde e Segurança Ocupacional exigidos pelo eSocial com agilidade e confiabilidade.

Mais produtividade na sua equipe

Garanta um ambiente de trabalho saudável, preserve a saúde dos seus colaboradores e reduza o risco de acidentes.

Obrigações legais em dia

Saiba quais obrigações sua empresa precisa cumprir para garantir a segurança e saúde da equipe e atender ao eSocial.

Redução de gastos

Soluções para reduzir despesas indevidas e prevenir alto custo.

ou selecione uma categoria

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Veja nossa Política de Privacidade.

Aceitar